Experiência de café
Uma viagem para descobrir o mundo do café, guiado por especialistas do nosso Training Center.

O Training Center abrange todos os principais aspectos da cultura do café, desde suas origens até degustação e métodos de preparo profissionais, graças ao conhecimento específico oferecido por nossa equipe de especialistas.

Métodos de preparo

O Lavazza Training Center oferece cursos para profissionais sobre métodos de preparo de café, dos mais tradicionais aos mais inovadores.

CAFETEIRA MOKA
CAFETEIRA MOKA
Toda casa italiana tem uma cafeteira moka
Sinônimo de café italiano feito, a cafeteira moka é talvez o utensílio de cozinha mais comum nas casas italianas. Desde o icônico Bialetti de 1933, vários modelos foram fabricados que ajudaram a espalhar a tradição do café italiano em todo o mundo. É fácil de usar, mas há alguns pequenos truques para fazer um excelente café. A temperatura da água, a quantidade de café moído, a intensidade do calor; descubra todos os truques para obter um café perfeito!
CHEMEX
CHEMEX
A cafeteira que conquistou o MoMa
O design original e sofisticado caracteriza a mais global de todas as cafeteiras: inventado por um químico alemão nos Estados Unidos em 1941, a chemex é apreciada agora por todos os amantes do café. Seu fascínio encontra-se no ritual que acompanha a extração do café: a escolha do filtro, a técnica de derramamento de água, o tempo. Não é por acaso que o mais elegante gotejador está agora exposto no MoMA, o Museu de Arte Moderna de Nova York.
CAFÉ GELADO
CAFÉ GELADO
Uma estrela internacional
Os Estados Unidos fizeram do café gelado uma celebridade no mundo do café, mas seu consumo foi testemunhado primeiramente no Japão nos anos de 1600. A partir disso, graças aos comerciantes holandeses, ele chegou ao resto do mundo, razão pela qual também é chamado de café holandês ou café de Kyoto. Para prepará-lo, você precisará de uma torre para café gelado e… muita paciência! O segredo desta preparação encontra-se no movimento lento da água através do café moído, gota após gota.
CAFETEIRA NAPOLITANA
CAFETEIRA NAPOLITANA
A preparação de mil detalhes
A histórica cafeteira napolitana na verdade surgiu na França em 1819, supostamente projetada pelo parisiense Morize. Ao longo dos séculos, no entanto, a cuccumella tornou-se um dos símbolos da cultura e tradição napolitana. Tão preciosa e elaborada como a fórmula de um químico, a preparação na cafeteira napolitana requer muita atenção aos detalhes: aqui está tudo que você precisa saber sobre como desfrutar da “tazzulella” de café perfeito!
ÊMBOLO OU PRENSA FRANCESA
ÊMBOLO OU PRENSA FRANCESA
Ideal para café, mas também para chá e infusões
Êmbolo, prensa francesa, melior, cafeteira à pistão, cafeteira francesa: este sistema de extração é conhecido por tantos nomes quanto os países nos quais é utilizado. Ideal para preparar chá e infusões, apresenta um design único e uma técnica exclusiva para separar a água do café moído. Qualquer que seja a bebida que você preferir, descubra os segredos para aproveitá-la ao máximo.
ESPRESSO
ESPRESSO
Espresso significa “feito no momento”
O primeiro protótipo da máquina de espresso remonta a 1855 e foi apresentada na Exposição Universal de Paris. Um processo de extração especial faz do espresso uma bebida concentrada, com sabor e aroma intensos.
Espresso: Café italiano em todo o mundo


O espresso é reconhecido como o verdadeiro café italiano. Suas características essenciais são crema compacta, sabor encorpado e aroma intenso. Tomar um espresso é uma experiência sensorial completa que envolve visão, olfato e paladar.

banner-mobile
Coffee Roots: de onde vem o café
A Lavazza queria comemorar as raízes históricas deste produto único. Coffee Roots é uma jornada que traça as origens do café, o grão mágico, à medida que se aproxima do mundo ocidental, e explora o seu significado em diferentes culturas.

O projeto, que também se tornou um livro escrito pelo jornalista gastronômico Vittorio Castellani (codinome Chef Kumalè), explora as mil maneiras pelas quais o café foi adaptado para se adequar aos gostos e hábitos das diferentes pessoas que o bebem todos os dias.

Embora hoje o espresso possa ser considerado “a linguagem universal do café compartilhada nos cinco continentes, é importante lembrar que cada país tem seus próprios “dialetos locais” que ainda existem: os rituais, as cerimônias, os hábitos e as formas de tomar café que estão associados às tradições individuais” (Chef Kumalè).
Receitas tradicionais

Preparar o café é uma bela arte que traz consigo histórias e tradições de todo o mundo.