O sítio arqueológico
Durante o trabalho de escavação para o novo centro de gestão corporativa da Lavazza, os arqueólogos descobriram os restos de uma igreja funerária na esquina entre corso Palermo e via Ancona. Remonta ao cristianismo primitivo e foi originalmente construído sobre uma necrópole que já existiu no mesmo local.
Em colaboração com a Cino Zucchi Architects, o projeto da Nuvola foi modificado para proteger esta descoberta surpreendente e importante. A igreja, com uma única nave que mede 12,70 m por 20 m, tem uma série de tumbas, dentro e fora de seu perímetro. Datar precisamente o complexo é problemático, mas suas características arquitetônicas sugerem o período entre a segunda metade do século IV e o século V d.C. Pode ser a igreja dedicada a Secundus de Asti, o mártir, cujas relíquias foram colocadas dentro das muralhas da cidade, quando ela estava sob ameaça da invasão dos sarracenos, no início do século X.
A área arqueológica identificada mede 1.600 m² de largura, 400 m² localizados sob o novo Centro de gestão corporativa Lavazza. Uma zona vitrificada no nível da rua e a iluminação cênica permitirão que os transeuntes vejam os restos da basílica.
A Lavazza, a cidade de Turim e o Soprintendenza Archeologia del Piemonte assinaram um acordo, em julho de 2014, para continuar os trabalhos e melhorar o sítio arqueológico. Para garantir a preservação efetiva da área, foi projetada uma cobertura metálica com painéis de madeira, tratada com um revestimento vegetal concentrado, porém leve, aplicado para proteger o sítio arqueológico do sol e facilitar o escoamento da água da chuva. Um caminho com placas informativas permite ao público visitar o site ao longo da via Palermo e na esquina com a via Ancona.