VOLTAR
5 minuti
Coffee Sips

Café italiano

Publicado em 18 Julho 17

Alguns membros da Igreja opuseram-se à introdução do café, chamando-o de “a bebida do diabo”. Mas foi principalmente durante o século XX que a inventividade italiana foi aplicada ao preparo do café, resultando no nascimento da máquina de espresso e da cafeteira moka.

café no bel paese

Embora o cafeeiro cresça em clima equatorial e, portanto, não na Itália, o país conseguiu aumentar o potencial da bebida, concebendo métodos de preparo que exaltam o aroma dos grãos.

O café tornou-se parte integrante da cultura do nosso país, que importa cerca de 8 milhões de sacas por ano. O consumo de café na Itália está relacionado principalmente com o uso da cafeteira moka nas residências e da máquina de espresso nos bares, restaurantes e escritórios.

 

Já em 1570, Veneza comercializava café, e a abertura da primeira cafeteria ocorreu em 1683, na Praça de São Marcos.

 

 

DE LOJAS PARA CAFÉS LITERÁRIOS

Dizem que o papa Clemente VIII, depois de provar uma xícara de café, falou: “Essa bebida é tão deliciosa que seria uma pena permitir que os descrentes a bebam. Derrotamos Satanás, dando-lhe uma bênção e tornando o café uma bebida verdadeiramente cristã.”

 

E foi assim que o café se espalhou por toda a península, em lojas elegantes, bem como em áreas rústicas e da classe trabalhadora, e tornou-se um ritual em torno do qual artistas, políticos e escritores se reuniam.

 

 

A INVENÇÃO DA MÁQUINA DE ESPRESSO

O termo “espresso” significa “feito de imediato”: é um método desenvolvido, como parece, para fazer o tempo de preparo do café em locais públicos mais rápido. O primeiro protótipo da máquina de espresso remonta a 1855 e foi apresentado na Exposição Universal de Paris. Alguns anos mais tarde, em 1901, o engenheiro milanês Luigi Bezzera fez a primeira máquina de café espresso a vapor. A patente de Bezzera deu ímpeto à pesquisa e melhorias tecnológicas iniciadas por muitas empresas italianas, incluindo La Pavoni e Victoria Arduino de Turim. 

 

Em 1948, Achille Gaggia introduziu o método de extração por “pressão”, que permite uma bebida concentrada e mais aromática, caracterizada por um creme espesso e denso: o espresso tal como o conhecemos.

 

Entre os anos 1940 e o início da década de 1950, as empresas que fabricam máquinas de café espresso melhoraram a produção, que alcançou quantidades industriais. Em 1949, o famoso arquiteto Giò Ponti fez a primeira máquina de espresso equipada com uma caldeira horizontal, para a La Pavoni, introduzindo uma mudança chave para o desenho das máquinas. 

 

A fabricação de café evoluiu ainda mais, com o lançamento de 1961 do modelo E-61 pela La Faema: um sistema de circulação radiativa permitia manter a água a uma temperatura constante, mesmo se a máquina permanecesse ociosa por um longo tempo.

Desde então, a evolução das máquinas de espresso nunca parou, esforçando-se constantemente para oferecer o espresso perfeito.

A CAFETEIRA MOKA E O CAFÉ FEITO EM CASA

No entanto, o funcionamento da cafeteira moka, desenhada em 1933 por Alfonso Bialetti,  não mudou ao longo dos anos.
Originalmente chamada de “Moka Express” consistia em quatro elementos de alumínio principais e tinha uma alça de baquelite.
Hoje, as cafeteiras moka são feitas de aço, mas funcionam exatamente como no passado. Elas devem ser “aparafusadas” com aquele gesto diário característico que ocorre nos lares italianos. 
Tanto o espresso quanto a cafeteira moka revolucionaram o modo que bebemos e como preparamos café na Itália.

Encontramos outros artigos que podem lhe interessar…

REVISTA
Tome um café e pague por dois

Coffee Sips

SAIBA MAIS
REVISTA
História do café

Coffee Sips

SAIBA MAIS
REVISTA
Café italiano

Coffee Sips

SAIBA MAIS
REVISTA
Cafés literários

Coffee Sips

SAIBA MAIS
REVISTA
Cultura do café

Coffee Sips

SAIBA MAIS
REVISTA
Um café na Austrália

Coffee Sips

SAIBA MAIS